Sobre Gatos, de Charles Bukowski

Aqui vai um dos meus achados mais recentes: Sobre Gatos. Tudo bem, não comprei na impulsividade, pois já conhecia o trabalho de Charles Bukowski e sua maneira louca de escrever. Mas foi por pura sorte que decidi comprá-lo, justamente porque era o livro mais barato do dia.

É, até agora, a melhor leitura do ano. Bem escrito? Há quem diga que não. Sei como as obras do autor podem beirar ao extremo, e conheço pessoas que seriam capazes de queimar exemplares pelas “baboseiras” impressas nas páginas.

Eu as imagino abrindo este livro e ficando enfurecidas pelo conteúdo. Ouço-as questionando se isto é poesia, se está certo usar uma linguagem dessas e se Bukowski está tentando dizer alguma coisa ou só falou nada com nada. Eu particularmente me surpreendi com a proposta da obra, com os “tudos” e “nadas” e muito mais.

Foto de Charles Bukowski com seu gato Ting. O escritor chegou a ter oito animais ao mesmo tempo

Para rir

Parece óbvio que o tema central do livro são os gatos, mas, se pegarmos os poemas a solto, dá até para pensar que Bukowski estava só falando sobre um dia normal de sua vida em casa.

É a despretensão de seus textos que ganha o leitor. Eles têm aquela característica singular da escrita do poeta, que consegue falar muito com pouco e evocar imagens vívidas apenas usando elementos simples do cotidiano.

Bukowski conta suas vivências sob a forma da poesia. Faz uso de versos desconexos, sem métrica e por vezes sem rima, como já estamos acostumados. Mas, diferentemente das loucuras com que normalmente nos deparamos, encaramos uma narrativa mais leve, divertida e intimista.

O livro veio a mim em um bom momento, pois era exatamente do que eu precisava. Como aconteceu comigo, garanto que você irá rir com a esperteza dos gatos e se encantar com o amor singelo que existe entre um dono e seu animal.

Desenho que Bukowski fez de um gato

Outro lado de Bukowski

Sobre Gatos traz um lado pouco exposto do escritor. Enquanto as primeiras páginas são mais bem humoradas e irônicas, o desfecho ganha um tom vulnerável e honesto que normalmente não associamos à imagem do velho amante de bebidas, cigarros e mulheres.

Primeira estrofe do poema “gatos e pessoas e você e eu e tudo -“

Nesta reunião de poemas, o Bukowski que conhecemos se encontra com o Bukowski de quem não sabemos muito. Ele ganha uma nova roupagem, mais madura, suscetível às alterações do mundo exterior.

Ler ou não ler?

Para quem está procurando entrar em contato com o trabalho do escritor, Sobre Gatos é uma boa indicação para começar.

Além de ser de fácil e rápida leitura, você conhecerá mais a fundo a personalidade do autor e sua maneira única de escrever sobre o que ele mais sabia fazer de melhor: viver. E muito bem acompanhado.

ele era só um
gato
vesgo,
um branco sujo
com olhos azul-claros

não vou aborrecer você com sua
história
vou dizer
que ele tinha muito azar
e era um bom e velho
garotão
e ele morreu
como pessoas morrem
como elefantes morrem
como ratos morrem
como flores morrem
como água evapora e
o vento para de soprar

Avaliação: 4.5 de 5.

Publicado por Diana Cheng

Jornalista, 23 anos. Adora passar horas perdida na narrativa de um bom livro. Além de ler, também se arrisca em escrever textos aleatórios e poemas sentimentais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
<span>%d</span> blogueiros gostam disto: