7 livros que me ganharam pelo título

O livro-reportagem de Philip Gourevitch sobre o massacre de Ruanda

Quem nunca comprou um livro pela capa? E pelo título?

A edição de uma obra é muito importante, pois, convenhamos, é o que chamará a atenção do leitor. A estética, no entanto, nunca foi uma regra para mim – ainda bem. Adoro livros de bolso, são menores e bem fáceis de carregar e manusear. Com os títulos, a coisa muda de figura.

Os títulos muitas vezes nos dão uma pista do que leremos, embora existem aqueles que, de tão sucintos, revelam nada. Garanto que os livros mencionados hoje não são assim; podem até fazer um mistério, mas se encaixam perfeitamente na proposta de suas histórias. Mais do que isso, eles carregam um tom poético ou simbólico ao qual simplesmente não consigo resistir.

1. Gostaríamos de Informá-lo de que Amanhã Seremos Mortos com Nossas Famílias, de Philip Gourevitch

Li este livro-reportagem para uma aula da faculdade. Poderia ter escolhido outros títulos, mas este me chamou a atenção pelo impacto das palavras. Eu sabia que iria me deparar com uma leitura carregada de imagens pesadas e relatos inacreditáveis, mas ainda assim foi difícil.

Para quem deseja saber sobre o que aconteceu em Ruanda no ano de 1994, leiam este livro. O jornalista realizou um trabalho único sobre o massacre dos hutus pela minoria tutsi, traçando um paralelo entre passado e presente.

2. Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola, de Maya Angelou

Acho este título muito bonito e delicado. O livro, no entanto, tem uma carga mais pesada, pois irá abordar um tema ainda recorrente nos dias atuais: o racismo.

Eu Sei Por Que o Pássaro Canta na Gaiola é um relato autobiográfico comovente sobre racismo e opressão, mas também sobre amadurecimento

É com o poder da literatura que a escritora levanta a sua voz contra a opressão. Acompanhamos neste livro autobiográfico a volta às memórias da infância para entender os sentimentos de uma garota negra que tenta se libertar dos traumas e das decepções.

A imagem do pássaro cantando na gaiola se torna muito mais significativa após a leitura da história.

3. Eu Receberia as Piores Notícias dos Seus Lindos Lábios, de Marçal Aquino

Este é o meu título favorito! Sempre que aparece, um misto de sentimentos toma conta de mim.

Poético, intenso, marcante… As palavras que estampam a capa pressagiam uma experiência de leitura única. Temos uma história de amor avassaladora aqui, conduzida por muitos erros e perigos.

Para quem procura por um livro nacional contemporâneo, indico sem hesitar a obra do Marçal Aquino.

4. Toda Nudez Será Castigada, de Nelson Rodrigues

Quem me conhece sabe que sou apaixonada pelo teatro de Nelson Rodrigues. Como o dramaturgo escreveu inúmeras peças, minha ordem de leitura é pelo título que mais me chama a atenção.

Logo de cara percebi que esta obra seria algo totalmente diferente de tudo o que li do escritor. E foi mesmo. Se em Viúva, Porém Honesta encontramos um humor mais escrachado, em Toda Nudez Será Castigada somos envolvidos por uma atmosfera carregada e bastante dramática.

5. Toda Luz que Não Podemos Ver, de Anthony Doerr

Não se intimide com as mais de 500 páginas do livro. Garanto que ele valerá o seu tempo.

O autor possui uma fórmula de escrita fascinante. A história é bem construída, sustentada por personagens nem um pouco previsíveis.

Gosto do título em especial, pois diz respeito não só à condição de Marie-Laure, uma das protagonistas do livro, mas também aos tempos desesperançosos da Segunda Guerra.

6. O Melhor Lugar do Mundo é Aqui, de Francesc Miralles e Care Santos

Um dos capítulos de O Melhor Lugar do Mundo é Aqui

Esse livro poderia ter entrado para a lista dos pouco conhecidos. Acho que deixei passar para que aparecesse agora nas minhas recomendações.

Comprei-o – surpresa! – justamente pelo título, que me intrigou muito. Quanto mais você sabe do contexto, fica claro que tudo foi pensado nos mínimos detalhes.

O Melhor Lugar do Mundo é Aqui adota um tom reflexivo. É a típica história em que a personagem principal muda a maneira como olha para si mesma e para o mundo à sua volta e adota um novo sentido para a vida.

7. O Oceano no Fim do Caminho, de Neil Gaiman

Tornei-me uma grande admiradora do Neil Gaiman após O Oceano no Fim do Caminho. Eu nunca teria pensado em procurar por este livro se não o tivessem colocado entre várias edições de bolso no Walmart.

A capa não tinha me chamado a atenção, mas o título… Estava esperando por uma história totalmente diferente, uma trama menos fantasiosa narrada por um personagem adulto. Ainda bem que encontrei o oposto.

O protagonista criança e o universo de monstros e seres mágicos d’água não tiraram a profundidade do livro, que venho recomendando incessantemente a qualquer pessoa nos últimos anos.

Publicado por Diana Cheng

Jornalista, 23 anos. Adora passar horas perdida na narrativa de um bom livro. Além de ler, também se arrisca em escrever textos aleatórios e poemas sentimentais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
<span>%d</span> blogueiros gostam disto: