A poesia completa de Maya Angelou

Poesia já é algo muito pessoal; diz muito sobre quem escreveu e compartilha uma visão de mundo que pode ser bem similar ou totalmente diferente do olhar que temos.

O que eu esperava quando comecei a ler a poesia completa da Maya Angelou? Esperava poder entendê-la, viver o que ela viveu. Mas como fui tola. Achei que compreenderia quem Maya foi, e então descobri que não, não sei de tudo. Não teria como saber. Maya foi maior do que as suas palavras, e eu não conseguiria nem imaginar todas as coisas que ela viu, sofreu e teve que enfrentar.

Uma das frases que dividem o livro

Ela não se cala

Não existe uma divisão clara no livro (o que vejo como um dos pontos negativos), mas dá para perceber como Maya tinha uma visão renovada, esperançosa e apaixonante sobre as coisas. Seus poemas não podem ser definidos em apenas uma palavra; seu estilo muito menos. Percebemos, no entanto, que ela amou muitas pessoas, mesmo quando não era correspondida, e diversos aspectos do mundo, apesar de todos os males e as injustiças.

Usando linguagem simples e elementos de fácil associação, Maya criou poemas breves, porém marcantes. Os textos, diretos e bastante visuais, são uma mistura de cenários que permearam a vida da escritora, fossem no plano da realidade ou em sonhos e ideais.

Descobrimos medos, traumas e dependências; sentimentos de vergonha pelo fardo de ser mulher – e negra – que se transformam em palavras de determinação e força. Parece informação demais, eu sei. Mas funciona para Maya.

Ela se levanta

Maya foi uma ativista do movimento negro nos Estados Unidos. Eu já esperava que seus poemas abordassem temas como racismo, violência policial e conformismo social pelos brancos, mas fiquei surpresa em ver que os poemas contêm diferentes abordagens.

Trecho do poema Nossos Avós

Pelo seu trabalho, Maya mostrou, além da tristeza e do medo quando relembrava das “correntes da escravidão”, uma vontade ainda maior de se fazer ouvir. De levantar a voz, não para rebater com ódio os insultos que cruzaram o seu caminho, mas para mostrar que estava lutando por uma sociedade menos dividida e mais consciente sobre o próximo.

Ler ou não ler?

Outra divisão do livro, agora com um dos poemas mais conhecidos da Maya Angelou

É difícil resumir todos os pontos levantados pela escritora. De religião a mensagens de esperança, Maya escreveu muito.

Achei que existia um momento certo para ler o que ela tinha a dizer, mas entrei em contato com a poesia completa dela e descobri novamente que estou errada. É preciso ler o mais rápido possível. As palavras de Maya não podem esperar. Elas anseiam por mudanças. A começar por nós.

Saindo das cabanas da vergonha da história
Eu me levanto
De um passado enraizado na dor
Eu me levanto
Sou um oceano negro, vasto e pulsante,
Crescendo e jorrando eu carrego a maré.

Abandonando as noites de terror e medo
Eu me levanto
Para um amanhecer maravilhosamente claro
Eu me levanto
Trazendo a dádiva que meus ancestrais me deram,
Eu sou o sonho e a esperança dos escravos.
Eu me levanto
Eu me levanto
Eu me levanto.

Avaliação: 4.5 de 5.

Publicado por Diana Cheng

Jornalista, 23 anos. Adora passar horas perdida na narrativa de um bom livro. Além de ler, também se arrisca em escrever textos aleatórios e poemas sentimentais.

2 comentários em “A poesia completa de Maya Angelou

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
<span>%d</span> blogueiros gostam disto: