Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão, de Hilda Hilst

Hilda Hilst tomou a posição de figura conhecida ao longo dos últimos anos da minha vida. Ouvia falar dela, sabia que era uma poeta bem cultuada, mas nunca me atrevi a ler nada que tivesse publicado – não por querer distância; foi apenas pela falta de oportunidade mesmo.

Foi agora que tive o gostinho de conhecer um fragmento de sua parruda obra poética. Comecei a entender os trejeitos de Hilda, e não sei o que pensar a respeito disso. Quero acreditar que Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão não consegue mostrar, nem de longe, todo o potencial de seu trabalho.

Celebrando o amor

Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão é uma celebração ao ato de amar sem filtros. Mais precisamente, à entrega amorosa incontestável de Hilda.

A edição de bolso da Companhia das Letras é dividida em partes

Lendo os poemas, não senti como se os versos falassem sobre meus sentimentos – o que normalmente espero da poesia. Vejo esse livro como um diário de confissões da poeta: seus anseios, medos e devoções; suas expectativas e sonhos; os homens que amou sem medo e a decepcionaram. E mesmo após as decepções, mais entrega e amor.

Apesar do posto de expectadora ter trazido certa distância entre mim e o conteúdo, os poemas são identificáveis. Alguns enchem o coração pela bela composição das palavras. Se tem uma coisa positiva que quero destacar de Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão é a seleção dos elementos imagéticos, que intensificam a atmosfera etérea do livro.

Trecho grifado de um poema

Os poemas são sensações, toques para a alma. Além dos contrastes (dia e noite, vida e morte), existe uma abundância de menções sobre sonhos e caminhos para o encontro, tornando cada verso uma confissão secreta.

Estrutura

Minha parte menos favorita de Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão é a estrutura dos poemas, mas disso eu já sabia que não tinha como fugir. É o jeito que Hilda escrevia, e devo destacar que não é nem um pouco ruim.

Os poemas não se alongam, e alguns são até bem simples – características que considero boas, principalmente para quem está começando a ganhar interesse pela poesia.

No entanto, o ritmo exageradamente pausado de Hilda (para não mencionar a concentração de palavras jogadas uma seguida da outra na chance de o leitor agarrá-las a tempo), em vez de dar profundidade às palavras, atrapalha a fluidez da leitura.

Trecho grifado de um poema

Ler ou não ler?

Difícil recomendar esse livro para quem está pensando em começar a ler algo de Hilda. Eu mesma não sei se voltarei a ler qualquer outro poema dela.

Mas Hilda não escreveu só poesia. Com tantos anos de produção, ela se aventurou na prosa também. Meu maior interesse no momento são as peças de teatro, outro foco de sua extensa carreira.

Sou da opinião de que o sucesso de um escritor é pautado por inúmeros motivos. Os trabalhos de Hilda continuam arrancando elogios de leitores e estudiosos, e não é por acaso. Com tanta presença em nossa literatura, como poderia fechar as portas tão cedo para ela?

Túlio de mim

Tem se movido

Tão desatento

Como se a nuvem

Já se movendo

Buscasse o vento

Como se a chuva

Toda molhada

Buscasse a água

Avaliação: 3.5 de 5.

Publicado por Diana Cheng

Jornalista, 23 anos. Adora passar horas perdida na narrativa de um bom livro. Além de ler, também se arrisca em escrever textos aleatórios e poemas sentimentais.

2 comentários em “Júbilo, Memória, Noviciado da Paixão, de Hilda Hilst

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
<span>%d</span> blogueiros gostam disto: