9 livros para 2022

Não gosto de criar listas por um motivo óbvio: nunca consigo completá-las. Mas resolvi dar um voto de confiança a mim mesma em 2022 – afinal, por que não?  Separei nove livros para um ano que, espero, seja memorável tanto em realizações pessoais quanto em leituras. A lista que elaborei servirá de lembrete para nãoContinuar lendo “9 livros para 2022”

1984, a distopia futurista que ficou velha

Depois que as obras de George Orwell entraram em domínio público, uma onda de edições bonitas de 1984 e A Revolução dos Bichos invadiu o mercado editorial. Vendo tanta opção à venda, fiquei um pouco desnorteada; não sabia para qual lado ia. Pareceu-me que o mundo inteiro tinha lido algo do autor. Pois bem: foiContinuar lendo “1984, a distopia futurista que ficou velha”

Minhas melhores leituras do ano (até agora)

Não vou nem tentar comentar sobre todos os livros que li durante essa pausa nada breve, porque… Bem, acho que perderia um pedacinho da minha sanidade mental. 2021 está sendo um ano de poucas leituras em comparação com 2020, mas minha lista já acumula mais de 30 livros lidos. Decidi então separar as melhores leituras que fizContinuar lendo “Minhas melhores leituras do ano (até agora)”

Eu, Tituba, de Maryse Condé

Há autores que escrevem para contar, ainda que por meio da ficção, suas histórias mais pessoais. Acho válido, acho bonito. Mas fico feliz em saber que existem aqueles que escrevem para dar vida a quem viveu tão pouco. Maryse Condé se encaixa nessa segunda categoria. O premiado Eu, Tituba é interessante porque, além de ser um romance com bases históricas,Continuar lendo “Eu, Tituba, de Maryse Condé”

6 livros que gostei, mas provavelmente não lerei de novo

Sou uma pessoa de releituras, como já destaquei aqui quando tive oportunidade. O hábito é antigo, veio mais como uma solução que encontrei na época em que eu não podia comprar muitos livros. Hoje, fico feliz de ver que estou movimentando minha coleção e fazendo meu dinheiro render (porque livro é investimento) ao manter essaContinuar lendo “6 livros que gostei, mas provavelmente não lerei de novo”

Lendo e-books: Frida, The Memory Police e mais

Há anos adotei o e-book na minha rotina de leituras, mas ultimamente deixei esse formato de lado e priorizei o livro físico. Li um livro digital e outro em 2020 – nada que tivesse me prendido a atenção. Porém, nos últimos meses, minha vontade de ler e-books voltou, e preciso dizer que tenho encontrado livrosContinuar lendo “Lendo e-books: Frida, The Memory Police e mais”

When We Were Orphans, de Kazuo Ishiguro

Na minha cabeça agitada e incansável, eu tinha imaginado diversos cenários para o meu primeiro livro do Kazuo Ishiguro. Alimentei certezas absurdas de que iria amar a leitura e tornaria o autor uma figura recorrente na estante – como foi com o Haruki Murakami. Escolhi o livro errado, disso não tenho dúvida. When We Were Orphans, embora seja realmente bem escrito e ambientado,Continuar lendo “When We Were Orphans, de Kazuo Ishiguro”

Anjos, quimeras, deuses… Sobre o que Laini Taylor escreve?

Eu lembro com muito carinho da “Diana fissurada por livros de fantasia”. É tanta saudade que estou tentando voltar a ler mais histórias do gênero, mas não está sendo fácil. Para não ficar só na vontade, preferi voltar ao ritmo relendo minhas séries favoritas. Foi durante a releitura de Feita de Fumaça e Osso queContinuar lendo “Anjos, quimeras, deuses… Sobre o que Laini Taylor escreve?”

5 livros que me deixaram confusa

Vez ou outra eu me deparo com histórias que parecem se desenvolver a um passo tão rápido que sinto que perdi alguma coisa no meio do caminho. São histórias que normalmente não fazem questão de trazer clareza ao leitor e correm o risco de ser tachadas de completamente geniais ou irritantemente confusas. Devo ter lidoContinuar lendo “5 livros que me deixaram confusa”

Colorless Tsukuru Tazaki and His Years of Pilgrimage, de Haruki Murakami

Aqui está um livro do Haruki Murakami. Colorless Tsukuru Tazaki and His Years of Pilgrimage tem a estrutura conhecida das histórias do autor e todas as características de sua escrita. E ainda assim, por ser diferente de tudo o que ele publicou, arranca uma sensação estranha de nós; uma desconfiança que logo vira aceitação. SomosContinuar lendo “Colorless Tsukuru Tazaki and His Years of Pilgrimage, de Haruki Murakami”

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora